sexta-feira, 16 de março de 2018

This is Poetry #2

Pedra Filosofal

Eles não sabem que o sonho
é uma constante da vida
tão concreta e definida
como outra coisa qualquer,
como esta pedra cinzenta
em que me sento e descanso,
como este ribeiro manso
em serenos sobressaltos,
como estes pinheiros altos
que em verde e oiro se agitam,
como estas aves que gritam
em bebedeiras de azul.

Eles não sabem que o sonho
é vinho, é espuma, é fermento,
bichinho álacre e sedento,
de focinho pontiagudo,
que fossa através de tudo
num perpétuo movimento.

Eles não sabem que o sonho
é tela, é cor, é pincel,
base, fuste, capitel,
arco em ogiva, vitral,
pináculo de catedral,
contraponto, sinfonia,
máscara grega, magia,
que é retorta de alquimista,
mapa do mundo distante,
rosa-dos-ventos, Infante,
caravela quinhentista,
que é Cabo da Boa Esperança,
ouro, canela, marfim,
florete de espadachim,
bastidor, passo de dança,
Colombina e Arlequim,
passarela voadora,
pára-raios, locomotiva,
barco de proa festiva,
alto-forno, geradora,
cisão do átomo, radar,
ultra-som, televisão,
desembarque em foguetão
na superfície lunar.

Eles não sabem, nem sonham,
que o sonho comanda a vida.
Que sempre que um homem sonha
o mundo pula e avança
como bola colorida
entre as mãos de uma criança.

By Rómulo de Carvalho

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

Impact of a Book


 *A single book changes an entire wall in this powerful installation *
by Jorge Mendez Blake
(more here)

sábado, 6 de janeiro de 2018

7 days || 7 Black & White Photos

{Pt} Sem pessoas. Sem explicações.

{En} No people. No pets. No explanations.

~*~

Day 1

Day2

Day 3

Day 4

Day 5

Day 6

Day 7

quarta-feira, 26 de julho de 2017

Brooke Dalton: It's possible, isn't it? It's possible that you could meet somebody who's perfect for you even though you're committed to somebody else. 

Nick Vaughan: No, no, see, I think if you're committed to somebody, you don't allow yourself to find perfection in someone else.

- in Before We Go

quinta-feira, 30 de março de 2017

This is poetry #1



Out of Catallus


COME and let us live my Dear,
  Let us love and never fear, 
What the sourest Fathers say: 
  Brightest Sol that dies today
Lives again as blithe tomorrow, 
  But if we dark sons of sorrow 
Set; o then, how long a Night 
  Shuts the Eyes of our short light! 
Then let amorous kisses dwell 
  On our lips, begin to tell 
A Thousand, and a Hundred, score 
  An Hundred, and a Thousand more, 
Till another Thousand smother 
  That, and that wipe off another. 
Thus at last when we have numb’red 
  Many a Thousand, many a Hundred; 
We’ll confound the reckoning quite, 
  And lose ourselves in wild delight: 
While our joys so multiply, 
  As shall mock the envious eye.


By Richard Crashaw